Inteligência artificial abre chance para ‘manter o contato’ com quem já morreu


Projetos usam algoritmos para coletar e processar informações sobre pessoas e emular suas personalidades em ambiente digital após a morte

 Por Maria Isabel Miqueletto – O Estado de S. Paulo – 23/07/2021

O uso de inteligência artificial (IA) para prever mortes de pacientes já é uma realidade em hospitais em diversos países, incluindo o Brasil. Agora, algoritmos querem ir além e nos colocar em contato com pessoas que já morreram – ou quase isso.

Uma leva de projetos quer usar IA para replicar conhecimentos, memórias e características de pessoas que cruzaram a fronteira final da vida. A ideia é preservar o legado e permitir que os parentes possam superar o luto de uma nova forma.

Um desses aplicativos é o Legathum, criado pelo cearense Deibson Silva, que decidiu transformar a tristeza pela perda da avó aos 18 anos em motivação para o projeto. “O intuito não é replicar a pessoa, mas seu conhecimento, suas memórias, sua mentalidade, seu perfil de comportamento – e a partir daí permitir que filhos e netos possam interagir com essa IA e acessar as lembranças”, resume o neuropsicólogo, formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

A ideia por trás do Legathum não tem nada de místico: uma das principais atividades de algoritmos na internet nos dias atuais é recolher dados sobre pessoas, detectar padrões e tirar conclusões sobre o comportamento. É assim que o Spotify opera para oferecer playlists personalizadas. Com o Legathum, a diferença é que o serviço se alimentará com informações de pessoas mortas. 

A ideia é que inicialmente o app reúna e repasse as memórias e características de quem faleceu por meio de uma linha do tempo e um vídeo – posteriormente, o objetivo é simular chamadas de vídeo e conversas. A expectativa é que a última fase seja atingida em até cinco anos. Serão três etapas. Inicialmente, a partir das informações coletadas, o app vai transcrevê-las e fornecer uma espécie de livro-biografia, registrando a vida da pessoa. Na segunda, fará um vídeo. 

Na etapa final, que exigirá algoritmos mais avançados, a IA promete reproduzir a voz e o rosto da pessoa e funcionar como uma assistente virtual nas tomadas de decisões dos entes queridos. A IA terá autonomia para funções como escolher a música que a pessoa teria escolhido em vida para um vídeo. A expectativa é que ela possa até dar conselhos. Um dos consultores de tecnologia do projeto é Alberto Todeschini, chefe do departamento de inteligência artificial da Universidade de Berkeley, da Califórnia.

Inspirado pela saudade de sua avó, Deibson Silva criou o app Legathum para preservar a memória

Inspirado pela saudade de sua avó, Deibson Silva criou o app Legathum para preservar a memória

Dados

Para que funcione bem, a máquina precisa ter acesso a um alto volume de dados. Por isso, o ideal é que aqueles que gostariam de ser “eternizados” na máquina forneçam essas informações ao sistema.

A especialista em marketing digital Cris Saviani faz parte do primeiro grupo testando o Legathum. Ela estuda a cabala – por isso, a possibilidade de ter um ambiente em que seus conhecimentos sejam repassados a deixa animada. “É uma maneira de você salvar a maneira como você pensa, e documentar tudo ao seu respeito”, conta Saviani, que também atua como programadora web do projeto.

Nesta primeira fase, a captação das informações é feita por uma espécie de chatbot no WhatsApp. Uma assistente virtual pergunta, todos os dias, sobre aprendizados, memórias significativas e conhecimentos técnicos que a pessoa queira guardar para o futuro. Isso é captado por áudio, texto, imagem e vídeo. “Quero que todas as pessoas possam deixar o seu legado, não apenas para quem tem condições financeiras melhores”, defende Silva. 

Ficção e realidade

Popularmente, a ideia de uma versão digital de pessoas que já morreram ganhou atenção em um episódio de Black Mirror, a série de ficção científica da Netflix que discute sobre os perigos da tecnologia. O episódio Be Right Back conta a história de uma mulher que perde o marido, mas mantém contato com “ele” por meio de uma rede social. A discussão sobre herança digital, porém, não era inédita. Ao longo dos últimos anos, projetos tentaram utilizar a tecnologia para atenuar a ausência da perda. 

Fundada em 2014, a empresa de tecnologia Eternime está testando um app que permitirá ao usuário criar um avatar digital de si que ficará disponível após sua morte. Com foco em permitir a programação de mensagens futuras para os amados, a empresa SafeBeyond também pretende assegurar o legado de seus usuários ao coletar suas informações em vida e disponibilizá-las após a morte.

Já a Microsoft registrou uma patente para uma ferramenta que replicaria a pessoa que faleceu por meio de IA. Ele lembra o propósito do Legathum: “interagir” com quem ficou. O acesso seria por meio de um app ou de um assistente virtual.

Embora possam ajudar a lidar com o luto, serviços do tipo também são vistos com ressalva – em Black Mirror, a história, claro, desandou. Maria Julia Kovacs, professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), explica que a principal questão é que serviços como esse se transformam num obstáculo no processo de lidar com a perda.

“Qualquer simulacro que mantenha a ideia de que estamos em contato com a pessoa concretamente pode dificultar o processo do luto, porque o que temos que fazer é elaborar a separação”, diz Kovacz, também membro-fundador do Laboratório de Estudos Sobre a Morte da USP.

No Legathum, as pessoas autorizadas a acessar os conteúdos deixados só poderão acessá-lo após 90 dias. Serão expostas também a um aviso questionando se a pessoa está preparada para acessar as imagens. “Depois do meu luto, se eu tivesse como rever minha avó, conversar com ela e ouvir sua voz e suas histórias, seria fantástico – com certeza vejo como algo positivo”, diz Silva.

Em termos jurídicos, ainda não existem leis que tratem da continuidade da vida em meios digitais. Ainda assim, a advogada Gisele Truzzi, especialista em Direito Digital, defende que as preferências do indivíduo devem ser oficializadas por meio do testamento. 

“Todo conteúdo que venha ao mundo após o falecimento tem de ser explicitado em vida. Essa é uma questão que pode colocar em xeque a IA, pois é impossível saber os resultados gerados pelos sistemas”, diz a fundadora da Truzzi Advogados. A especialista ainda pondera os limites dos aplicativos. “É preciso saber até onde o software pode ir e garantir que a tecnologia vai deixar o total controle na mão do usuário”. 

https://link.estadao.com.br/noticias/cultura-digital,inteligencia-artificial-abre-chance-para-manter-o-contato-com-quem-ja-morreu,70003787028

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal basta clicar no link: 

https://chat.whatsapp.com/ClAdy1GuMchCtm12T5xPcp  para WhatsApp ou

https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram

Este é um grupo de WhatsApp restrito para postagens diárias de Evandro Milet. 

Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana em A Gazeta, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

Veja também o meucanalinovacao no YouTube e Instagram

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: