O salto da energia solar no Brasil


Em 2021, o segmento atraiu mais de R$ 21,8 bilhões em investimentos e cresceu 65% em potência operacional instalada no País na comparação com o ano anterior

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo 08 de janeiro de 2022 

Estratégica na função de diversificar a matriz elétrica brasileira com fontes renováveis, em 2021, a energia solar cresceu no Brasil impressionantes 65%.

A fonte solar fotovoltaica, que inclui as grandes usinas solares de geração centralizada e o segmento de geração distribuída, que é o da energia elétrica gerada no local de consumo por meio de sistemas de captação de luz solar instalados em telhados e fachadas, chegou aos 13 gigawatts (GW) de potência operacional

Assim, a fonte solar no Brasil se aproxima da atual capacidade instalada da Usina de Itaipu, segunda maior hidrelétrica do mundo, que é de 14 GW. E ultrapassa a potência instalada de termoelétricas movidas a derivados de petróleo e carvão mineral, que possuem pouco mais de 12,9 GW de potência instalada.

Mesmo com o dólar mais valorizado ante o real e com as restrições na oferta de painéis pela escassez de semicondutores, os investimentos seguem em expansão. Como apontam as estatísticas da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, a energia solar atraiu investimentos de quase R$ 22 bilhões somente em 2021.

Desde 2012, a fonte solar já movimentou mais de R$ 66,3 bilhões em novos investimentos no Brasil. Desses, cerca de R$ 24 bilhões foram direcionados para usinas de grande porte. Já na geração distribuída, onde o País possui mais de 720 mil sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, os investimentos acumulados ultrapassam os R$ 42,4 bilhões. E os números tendem a crescer, mesmo com o fim gradual dos subsídios que estimulam o uso dessa energia.

“Apesar dos avanços, ainda não estamos numa posição que reflita o potencial que a energia solar tem no Brasil. Em comparação com outras fontes renováveis, como a geração de energia hidrelétrica e a partir da biomassa, o Brasil ocupa a 2ª posição no ranking mundial e na geração eólica, a 7ª colocação, mas na solar não somos referência ainda, ocupamos apenas a 14ª posição no ranking mundial de geração desse tipo de energia ”, observa Rodrigo Sauaia, presidente da Absolar.

Energia solarSegundo a Absolar, o País saltou de 7,9 gigawatts (GW) de potência operacional da fonte solar fotovoltaica ao final de 2020 para 13 GW ao final de 2021, crescimento de 65% no período. Foto: Felipe Rau/Estadão

Sauaia reforça que a energia solar continua sendo uma das fontes mais competitivas entre as fontes renováveis, com preços médios abaixo dos US$ 30,90/MWh, por este motivo o País precisa continuar desenvolvendo estratégias para que a energia solar faça parte do planejamento energético brasileiro e que sejam criadas políticas públicas para facilitar o acesso à tecnologia e democratizar o uso da energia solar para todas as faixas econômicas.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta sexta-feira o marco legal da geração própria de energia, que limita até 2045 a isenção de encargos para os que já possuem sistemas fotovoltaicos e os que solicitarem o serviço até 12 meses após a sanção da lei e impõe cobranças gradativas, a partir de 2023, para os consumidores que instalarem o sistema.

Hoje, os usuários que produzem a própria energia não pagam alguns encargos, como a utilização da rede e tarifas por distribuição. Pela nova lei, as distribuidoras serão compensadas mensalmente por essas despesas e os consumidores atendidos pelas distribuidoras vão pagar parte dos encargos na própria conta de luz. O repasse das tarifas associadas à energia elétrica para geração distribuída começa, a partir de 2023, em 15% do total dessas vantagens.

O que se espera agora é o emprego de materiais, de tecnologias e de novas soluções destinados a assegurar o aumento da competitividade da energia limpa em relação à convencional. O Brasil mostra algum avanço nesse requisito. Regulamentação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) publicada no fim de 2021 deu aval para o funcionamento de usinas híbridas no País, que preveem a combinação de mais de uma fonte de energia no mesmo espaço. Uma das vantagens dessa solução é o aproveitamento da mesma rede de transmissão.

Para o professor e pesquisador Nivalde de Castro, coordenador-geral do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) da UFRJ, essa nova regra pode aumentar a participação da energia solar na matriz brasileira, uma vez que é mais fácil realizar investimentos para criação de plantas solares em centrais já instaladas (hidrelétrica, eólica, termoelétrica), porque ela é uma fonte que consegue facilmente se complementar às outras. /COM PABLO SANTANA

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,o-salto-da-energia-solar-no-brasil,70003944761

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal, basta clicar no link: https://chat.whatsapp.com/ICFvu2V5bCu67L6KwXc6ZD  (09) para WhatsApp ou https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram. Este é um grupo restrito para postagens diárias de Evandro Milet. Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana em A Gazeta, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

3 comentários em “O salto da energia solar no Brasil

  1. Olá amigos Nami Nilson trabalho com vendas e vejo que realmente está crescendo mesmo Energia solar fotovoltaica, tem muita gente que querem ter mais achando caro eu acho que as empresas estão explorando o povo, ou é os bancos com juros muito Auto !?

    Curtir

  2. Qual a participação do Brasil na fabricação dos componentes principais dessa indústria? Sem incentivos para “fabricacao” vamos continuar trocando toneladas de commodities por um punhado do dólar. Precisamos de trabalhadores nas fábricas.

    Curtir

Deixe uma resposta para Nilson Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: