Inteligência artificial poderá prever, e até evitar, novas pandemias, prevê Kai-fu Lee


por Sérgio Matsuura

Com cada vez mais dados, sistemas inteligentes poderão perceber anomalias precocemente, afirmou o especialista

 Mesmo com todos os avanços tecnológicos que temos hoje, o mundo não foi capaz de prever, ou evitar, o avanço do novo coronavírus, que já matou mais de 350 mil pessoas. Mas é provável que esta seja a última pandemia, graças à inteligência artificial. Esta é a opinião do presidente e diretor executivo da Sinovation Ventures e ex-presidente do Google China, Kai-fu Lee, que participou na noite desta quarta-feira de um painel com o diretor executivo da Globo Ventures, Roberto Marinho Neto, em evento promovido pelo movimento Brazil at Silicon Valley.

— Eu acho que no longo prazo a prevenção de pandemias será possível com a inteligência artificial — afirmou Lee. — Nós usaremos roupas inteligentes, conhecidas como wearables, que produzirão dados e os enviarão para a nuvem onde será possível perceber anomalias precocemente. Assim, espero que a próxima pandemia possa ser prevista e evitada.

De acordo com o especialista, reconhecido como uma das maiores autoridades em inteligência artificial, a própria crise que vivemos irá impulsionar o uso da tecnologia no campo da saúde. A telemedicina está, enfim, se tornando uma realidade, como forma de proteção aos profissionais de saúde e de aumento da eficiência.

Os diagnósticos e atendimentos on-line gerarão dados, que irão abastecer as inteligências artificiais. Com cada vez mais informações, incluindo as de sequenciamentos genéticos, únicos para cada pessoa no mundo, esses sistemas poderão personalizar os tratamentos, eventualmente superando os médicos humanos.

— Os médicos não podem digerir um sequenciamento genético completo, mas uma inteligência artificial pode — afirmou o especialista. — Então, eu vejo que a medicina personalizada se tornará cada vez mais precisa que os médicos humanos ao longo dos anos.

Mas o aumento da quantidade de dados gerados não se dá apenas na medicina. As políticas de isolamento dos que podem ficar em casa forçaram o mundo a avançar na digitalização. Escritórios, salas de aula e até os encontros de familiares e amigos migraram para o digital. Todas essas atividades geram dados, que alimentam os sistemas de inteligência artificial.

Dessa forma, prevê Lee, é possível que num futuro próximo as pessoas se relacionem com máquinas, por meio de avatares que reproduzem os humanos em ambientes digitais. Sistemas inteligentes poderão, por exemplo, dar aulas ou palestras, com a forma e a aparência que estamos sendo acostumados pela quarentena.

— Agora, nós estamos confortáveis com as videoconferências. Se em vez de um humano conversando, for um avatar realista, as pessoas vão achar aceitável — notou Lee.

Oportunidade para o Brasil

Essa nova realidade gera oportunidades para empreendedores, e o Brasil, na visão de Lee, tem na grande população um diferencial para aproveitá-las. De acordo com o especialista, a China conseguiu, num curto espaço de tempo, rivalizar com os EUA no campo da inteligência artificial graças, em parte, à imensa população, que gera quantidades enormes de dados.

De acordo com previsões da consultoria PwC, a inteligência artificial irá gerar US$ 15,7 trilhões à economia global até 2030, mas apenas China e EUA irão abocanhar cerca de 70% dessa riqueza.

— Mais dados geram sistemas melhores, e a China tem mais dados que qualquer outro país — afirmou Lee. — O Brasil tem uma oportunidade, por conta da grande população.

Mas para trilhar o caminho chinês não basta ter grande população. É preciso formar talentos no campo da computação, buscar um modelo de empreendedorismo e incentivos aos investidores anjos, responsáveis por bancar o início das start-ups, o momento mais crítico do ecossistema de inovação.

A China, contou Lee, começou sua indústria de tecnologia copiando o Vale do Silício com empresas como Baidu, o “Google chinês”, e Sina Weibo, o “Twitter chinês”. Com o tempo, as companhias “copiadoras” ganharam musculatura no imenso — e protegido — mercado interno chinês e passaram a inovar, apostando, especialmente, na inteligência artificial.

— Se você já tem talentos em ciência da computação, não é difícil que eles aprendam inteligência artificial — afirmou o especialista. — Se o Vale do Silício é imitável, a China também pode ser imitada. O que realmente precisa é ter mais capital de risco.

https://oglobo.globo.com/economia/inteligencia-artificial-podera-prever-ate-evitar-novas-pandemias-preve-kai-fu-lee-24449728

A seguir trecho de matéria do mesmo tema no Valor Econômico

Os chineses não têm estrelas da computação como o Vale do Silício, mas contam com uma enorme massa de consumidores e um exército de engenheiros orientado a necessidades do dia a dia do público. Um exemplo do sucesso desse modelo é o Tik Tok. Criado como aplicativo de vídeo pela chinesa ByteDance, o app tornou-se uma rede social que atualmente vale US$ 125 bilhões e tem lucro líquido de US$ 3 bilhões. “E isso tudo foi criado em sete anos”, disse Kai-Fu.

O Brasil, que também tem um grande público consumidor, pode aproveitar lições chinesas e criar um modelo de inovação particular, mas precisa estar atento aos fundamentos, alertou. É o caso da formação educacional e profissional.

Na China, disse o empresário, o setor público foi responsável por duas ações fundamentais de apoio. O primeiro é o investimento em infraestrutura, cujos custos altíssimos só podem ser pagos pelo governo. As autoridades chinesas reconheceram o valor das telecomunicações e investiram fortemente na criação de redes móveis, sem as quais as empresas privadas não poderiam criar, posteriormente, as inovações que estão conduzindo a China ao posto de coliderança com os EUA no mercado global de tecnologia.

O segundo ponto é o financiamento das primeiras fases das startups, quando o risco é maior. O governo chinês se mobilizou para dar incentivos a investidores-anjos e empresas de capital de risco, que têm mais condições de avaliar o potencial de um negócio, em vez de aplicar dinheiro diretamente nas startups. Essa é uma tarefa que também pode ser assumida por grandes empresas e organizações, afirmou.

Há dois anos, Kai-Fu escreveu um livro que se tornou best-seller global, no qual descreve uma nova ordem mundial. Intitulada “Inteligência Artificial”, a obra foi publicada em português no ano passado pela Globo Livros. Agora, enquanto passa a fase de isolamento em sua casa, em Pequim, ele prepara outro lançamento. “Estou escrevendo, mas será só para 2021”, informou.

https://valor.globo.com/empresas/noticia/2020/05/28/inteligencia-artificial-sera-capaz-de-prever-pandemias-diz-kai-fu-lee.ghtml

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal basta clicar no link  https://chat.whatsapp.com/ClAdy1GuMchCtm12T5xPcp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: