Como a China está reinventando sua indústria de chips


Por Redação – Estadão – 13/05/2023

Com sanções impostas pelo governo dos EUA, fabricantes locais investem para conseguir dar um salto tecnológico

Em outubro passado, os planos de construção de uma enorme fábrica de semicondutores de propriedade de uma grande empresa estatal na China central caíram por terra. O governo de Joe Biden intensificou a guerra comercial pela tecnologia, cortando o acesso da China às ferramentas ocidentais e aos trabalhadores qualificados de que precisava para construir os semicondutores mais avançados.

Alguns funcionários com cidadania americana saíram da empresa. Três fornecedores de equipamentos dos Estados Unidos interromperam quase imediatamente seus embarques e serviços, e espera-se que a Europa e o Japão façam o mesmo em breve.

A instalação pertencia à Yangtze Memory Technologies Corp., ou YMTC, uma empresa de chips de memória que Xi Jinping, presidente da China, exalta como “porta-bandeira” na corrida da China rumo à autossuficiência. Agora, a fabricante de chips e seus pares estão revisando rapidamente as cadeias de suprimentos e reescrevendo seus planos de negócios.

Quase sete meses depois de lançadas, as barreiras comerciais dos EUA aceleraram a pressão da China por um setor de chips mais independente. A tecnologia e o dinheiro ocidentais foram retirados, mas o financiamento estatal está chegando para fomentar alternativas domésticas para produzir semicondutores menos avançados, mas ainda lucrativos. E a China não desistiu de fabricar chips de ponta: os fabricantes estão tentando trabalhar com peças mais antigas do exterior não bloqueadas pelas sanções dos EUA, bem como equipamentos domésticos menos avançados.

As duras restrições dos EUA surgiram após um alarme soar, com a visão das autoridades em Washington sobre a ameaça potencial representada pelo uso de suas empresas de tecnologia pela China para atualizar seu arsenal militar. Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional, recentemente caracterizou o sentimento como parte de um “novo consenso” em Washington de que décadas de integração econômica com a China não foram totalmente bem-sucedidas.

Sob as regras lançadas em outubro, empresas e cidadãos americanos não podem mais ajudar nenhuma empresa chinesa a construir tecnologia de chip que atenda a um certo limite de sofisticação. Os controles foram além das restrições comerciais do governo Trump, que visavam a empresas específicas, como a gigante chinesa de telecomunicações Huawei.

Durante as tensões comerciais anteriores, Pequim mobilizou grandes somas para cultivar alternativas domésticas aos fabricantes de chips ocidentais. Mas componentes estrangeiros estavam prontamente disponíveis, com qualidade superior, deixando muitas empresas chinesas relutantes em fazer a troca.

Essas reservas parecem estar diminuindo. As empresas de tecnologia chinesas estão avaliando como substituir os chips ocidentais e componentes relacionados, mesmo aqueles não afetados pelo controle dos EUA. O Guangzhou Automobile Group, um fabricante estatal de veículos elétricos, disse em fevereiro que pretende comprar todos os seus cerca de 1.000 chips por carro de fornecedores chineses. Atualmente, compra 90% de seus chips do exterior.

“O objetivo agora na China em muitas áreas é desamericanizar as cadeias de suprimentos”, disse Paul Triolo, vice-presidente sênior para a China do Albright Stonebridge Group, uma empresa de estratégia.

Dezenas de empresas chinesas de chips estão finalizando planos para levantar dinheiro por meio de aberturas de capital este ano. Eles incluem o segundo maior fabricante de chips da China, o Hua Hong Semiconductor, bem como um fabricante de ferramentas de chip apoiado pela Huawei.

As disputas tecnológicas entre as duas maiores economias do mundo não dão sinais de diminuir. O governo Biden elaborou, mas ainda não divulgou, novas regras que restringiriam os investimentos de capital de risco americano em empresas de chips avançados na China. O investimento estrangeiro no setor de semicondutores da China este ano já caiu para US$ 600 milhões, seu ponto mais baixo desde 2020, segundo dados do PitchBook, que rastreia o financiamento privado. E as autoridades estão avaliando controles mais rígidos sobre tecnologias como computação quântica ou equipamentos de fabricação de chips.

Continua após a publicidade

Até agora, menos de 1% de todos os semicondutores na China estão no topo da indústria e estão sujeitos às leis de controle dos EUA, de acordo com estimativas do Yole Group, uma empresa de pesquisa de mercado. O restante são semicondutores menos avançados, ou “maduros”, encontrados em carros e eletrônicos de consumo diário, e são “a grande maioria dos negócios”, disse Jean-Christophe Eloy, CEO do Yole Group. Esses chips, praticamente intocados pelos controles de outubro do governo Biden, agora estão passando por uma onda de investimentos, acrescentou.

Os dois maiores fabricantes de chips da China, a estatal Semiconductor Manufacturing International Corp. e a Hua Hong Semiconductor, anunciaram bilhões de dólares este ano para expandir a produção de chips maduros, de acordo com anúncios públicos.

No entanto, a longo prazo, a falta de acesso da China a ferramentas de classe mundial necessárias para fabricar chips pode impedir seu progresso em muitos setores avançados, como inteligência artificial e aeroespacial, de acordo com Handel Jones, CEO da International Business Strategies, uma empresa de consultoria.

Em agosto, a YMTC tinha como meta um aumento de três vezes em sua participação na produção global de chips, para 13%, até 2027, desafiando os operadores de chips como a norte-americana Micron Technology, de acordo com estimativas do Yole Group. Enfrentando problemas para construir sua segunda fábrica, a produção da fabricante chinesa de chips de memória deve cair, caindo para apenas 3% do mercado em 2027.

Empresas internacionais que haviam investido anteriormente na indústria de semicondutores da China estão desviando seus investimentos para outros lugares. A coreana Samsung e a Taiwan Semiconductor Manufacturing Co. estão investindo bilhões de dólares em nova produção nos Estados Unidos. A fabricante de chips taiwanesa negocia subsídios para sua fábrica no Arizona que a forçam a limitar seus investimentos na China por uma década.

Ao mesmo tempo, dizem os especialistas, o enfraquecimento da influência estrangeira sobre o setor de chips da China está criando oportunidades para as empresas domésticas. No mês passado, um fabricante de equipamentos de semicondutores abriu o capital em Xangai. As ações da empresa, Crystal Growth & Energy Equipment, subiram 30% desde sua estreia.

“É por causa das sanções que agora há espaço no mercado”, disse Xiang Ligang, diretor de um consórcio de tecnologia com sede em Pequim que assessorou o governo chinês em questões de tecnologia. “Agora temos uma chance de evoluir.”

https://www.estadao.com.br/economia/china-reinventando-industria-de-chips/

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal, basta clicar no link: https://chat.whatsapp.com/BrKMDzP2KP52ExU8rOIB3s(14) para WhatsApp ou https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram. Este é um grupo restrito para postagens diárias de Evandro Milet. Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana no Portal ES360, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: