Empresa cria ‘bônus de permanência’ para funcionários


Em novo episódio do CBN Professional, Léo Xavier, fundador da Môre Talent Tech descreve iniciativas para atrair e reter talentos na área de tecnologia

Por Jacilio Saraiva — Para o Valor, 28/11/2022

Até que ponto um gestor pode ir para não perder profissionais para a concorrência? Na visão de Léo Xavier, CEO e fundador da Môre Talent Tech, companhia brasileira de serviços e produtos digitais com 194 funcionários, vale divulgar a remuneração dos cargos, aprimorar as tradicionais avaliações de desempenho individual e até distribuir bônus semestrais para quem escolheu dizer não às propostas do mercado.

    Do analista ao diretor: empresa divulga salário de todos os cargos

    “Não devemos buscar o erro para aprender”, diz CEO do Boticário

    O segredo é saber subtrair: dos negócios ao fluxo do trabalho, diz CEO do Mercado Livre

“Vivemos hoje um tempo de escassez de profissionais da economia digital e os talentos têm uma nova relação com o trabalho”, explica Xavier no novo episódio do CBN Professional, podcast realizado pelo Valor e a rádio “CBN”. Ele conta que há funcionários na Môre que recebem até 14 propostas de emprego por mês, via LinkedIn – e a tendência é de escala na briga por mão de obra especializada.

A Associação das Empresas de Tecnologia da Informação, Comunicação e de Tecnologias Digitais (Brasscom) calcula que em cinco anos serão criados quase 800 mil novos postos no setor. Como o Brasil forma, ao ano, pouco mais de 53 mil profissionais de TI, o déficit de currículos na área pode chegar a 532 mil. “Se a gente não entender isso, vamos continuar construindo práticas de trabalho anacrônicas”, diz. “É preciso cuidar dos funcionários de forma diferente, em um momento diferente do mercado.”

Léo Xavier, fundador da Môre Talent Tech, diz que é hora de repensar a gestão de pessoas — Foto: Divulgação

Na Môre, as inovações na gestão de RH já mostram resultados. O turnover no último trimestre foi o mais baixo da história da companhia: marcou 0,8%, ante 4,5% no início do ano. De acordo com Xavier, a prática de publicar a faixa salarial dos cargos – não de cada empregado – pode ser seguida por grandes organizações. “Já fui funcionário de empresa e todo mundo fala de salário no cafezinho”, diz o executivo, 46, que acumulou experiências nos setores de marketing digital e estratégias mobile, antes de fundar a Môre em 2020, às vésperas da pandemia.

Xavier garante que a transparência com os números da folha de pagamento ajuda a solidificar a retenção dos empregados. O funcionário fica sabendo quanto um diretor ganha e pode ser estimulado a almejar a mesma função, diz.

    A Môre criou ainda um bônus de “permanência ou escolha” para quem preferiu continuar na empresa. Todos os funcionários recebem a partir de R$ 220 por semestre – valor que é multiplicado de acordo com o tempo de casa.

Outra forma para reter os talentos é a realização mensal de “leituras de temperatura” nos squads. A ideia, segundo o CEO, é checar se a pessoa está satisfeita com a área escolhida ou se prefere mudar de projeto – a startup atende clientes em diversas verticais, como finanças e saúde, caso do Itaú e Dasa. “Se o profissional desejar, fazemos uma troca coordenada e todo mundo ganha – a empresa, o funcionário e o cliente.”

As novas “lógicas” nas relações de trabalho também aparecem nas avaliações de desempenho. O objetivo é não seguir o fluxo de performance da organização, mas as fases de entrega dos funcionários, por períodos determinados. “A pessoa está no centro das avaliações”. Os ciclos profissionais estão cada vez mais curtos, caíram de anos para meses, afirma. “O ciclo médio [de produção] de um profissional do ambiente digital está flutuando de onze a 14 meses.”

A ideia é que as avaliações sejam semestrais e aconteçam no sexto ou 12º mês de entregas do empregado, ao contrário da maioria das análises tradicionais do mercado, realizadas no final de cada ano.

Xavier afirma que todas as inovações na “experiência do empregado” são baseadas em três “Es”: escuta, exemplo e escala; que se encaixam em três “Ps” – plataformas, processos e pessoas. “Hoje, tudo é sobre pessoas – e isso não é apenas mais uma frase bacana. É a realidade”, diz. O episódio está disponível nas plataformas de streaming, como Spotify e Apple Podcasts, e no site da CBN.

https://valor.globo.com/carreira/noticia/2022/11/28/companhia-da-bonus-semestral-para-quem-nao-sai-sembarreira.ghtml

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal, basta clicar no link: https://chat.whatsapp.com/EgFjdLGaUJMIr4HBnf4O4R (08) para WhatsApp ou https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram. Este é um grupo restrito para postagens diárias de Evandro Milet. Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana no Portal ES360, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: