Fábricas fechadas, empregos suspensos: alta da energia paralisa indústria europeia


Gás disparou após Guerra na Ucrânia. ArcelorMittal, maior siderúrgica da Europa, paralisa altos-fornos na Alemanha, Alcoa reduz produção na Noruega e nem papel higiênico escapa da crise

Por The New York Times/O Globo 20/09/2022 

A fornalha, a 1.500 graus Celsius, irradiava um vermelho brilhante. Trabalhadores da Arc International, fabricante francesa de louças de vidro, inseriam aos poucos areia e massa fundida no forno. Logo depois, máquinas transformavam o líquido incandescente que saía da fornalha em milhares de taças de vinho, que seriam vendidas para restaurantes e famílias ao redor do mundo.

Por anos, as fábricas da Arc foram abastecidas por energia barata que ajudou a empresa a se tornar a maior produtora global de utensílios de mesa feitos de vidro – e um empregador crucial para o norte da França.

Mas o impacto do corte abrupto no fornecimento de gás russo para Europa, após a eclosão da guerra na Ucrânia, trouxe novos riscos ao negócio. Os preços da energia subiram tanto que o CEO da Arc, Nicholas Hodler, teve de refazer as previsões para o desempenho de sua atividade seis vezes nos últimos dois meses.

Recentemente, ele teve que colocar um terço dos 4.500 funcionários da companhia em licença parcial para economizar. Quatro das nove fornalhas da fábrica serão paralisadas. As demais serão convertidas para uso do diesel, em substituição ao gás, um combustível mais barato porém mais poluente.

– É a mais dramática situação por que já passamos. Para negócios intensivos em energia como o nosso, isso é devastador – disse Hodler.

A Arc não é um caso isolado. Os preços altos de energia estão golpeando a indústria europeia, forçando fábricas a cortar produção rapidamente e colocando milhares de empregados em suspensão temporária de contratos.

A produção industrial na zona do euro caiu 2,3% em julho em relação a igual mês no ano passado, a maior queda em mais de dois anos, ampliando o risco de recessão.

Produtores de metais, papel, fertilizantes e outros produtos que dependem de gás e eletricidade apertaram os cintos. Metade da produção de alumínio e de zinco na Europa foi paralisada, segundo a Eurometaux, que reúne os comercializadores de metais.

Entre eles está a Arcelor Mittal, maior siderúrgica da Europa, que está paralisando altos-fornos na Alemanha. A Alcoa, uma produtora global de produtos de alumínio, está cortando um terço da produção em sua fundição na Noruega. Na Holanda, a Nyrstar, maior produtora de zinco do mundo, está pausando a produção até novo aviso.

Nem mesmo o papel higiênico está imune: na Alemanha, a Hakle, uma das maiores fabricantes, anunciou que entrou em insolvência por causa de uma “crise energética histórica”.

O turbilhão enervou os habitantes de Arques, uma cidade cujas fortunas estão ligadas à fabricação de vidro há mais de um século. O arco moderno foi fundado em 1825 como a Verrerie Cristallerie d’Arques, então uma pequena fabricante local de taças de cristal fino.

Hoje, as operações da Arc são enormes, abrangendo uma área com quase metade do tamanho do Central Park de Nova York. Sua massa é tal que a Arc gera indiretamente outros 15.000 empregos na região, desde fábricas de papelão que embalam seus vidros até empresas de transporte que transportam seus produtos. As outras fábricas da Arc estão na China; Dubai, Emirados Árabes Unidos; e Nova Jersey.

“O desligamento dos fornos é uma má notícia”, disse um trabalhador, um veterano de 28 anos da fábrica, que falou sob condição de anonimato por medo de comprometer seu emprego. “Claro, os altos preços da energia estão tendo um impacto”, acrescentou, “mas é assustador a rapidez com que está acontecendo”.

Até certo ponto, a crise é um retrocesso das sanções europeias que pretendiam punir a Rússia por sua invasão da Ucrânia. A dor minou a confiança nas empresas europeias e sua capacidade de planejar.

Na semana passada, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, propôs compensar o impacto limitando a receita de geradores de eletricidade de baixo custo e forçando as empresas de combustíveis fósseis a compartilhar o lucro que obtêm com os preços crescentes da energia.

Mas as soluções podem não ser rápidas o suficiente. Os custos já subiram além do que muitos fabricantes podem pagar. Milhares de empresas europeias estão perto do fim dos contratos fixos de energia assinados quando os preços eram mais baratos, e devem renová-los em outubro a preços atuais.

Os preços da eletricidade com um ano de antecedência, vinculados ao custo do gás, estão em torno de 1.000 euros (cerca de US$ 1.000) por megawatt-hora na Alemanha e na França, enquanto o gás natural está em recordes de cerca de 230 euros por megawatt-hora.

A porcelana Eschenbach sobreviveu à transição da Alemanha do comunismo para o capitalismo depois de 1989. Mas quando seus contratos de energia terminarem no final deste ano, a empresa terá contas anuais de energia de 5,5 milhões de euros, ou cerca de seis vezes o que está pagando agora, disse Rolf Frowein, seu diretor.

“Isso significa que temos que dobrar nossos preços, e ninguém pagará isso por nossos copos e pratos”, disse ele. A Eschenbach, uma empresa de 130 anos no estado oriental da Turíngia, está conversando com políticos locais sobre uma possível solução. É uma das dezenas de pequenas e médias empresas na Alemanha que temem fechar definitivamente.

A uma hora ao norte da fábrica Arc, a Aluminium Dunkerque, maior produtora de alumínio da França, dispensará parte de sua força de trabalho de 620 pessoas e reduzirá a produção em mais de 20%, pois enfrenta um potencial aumento de quatro vezes em seus custos de energia.

“O tempo que passamos lidando com questões de energia foi multiplicado por 10”, disse Guillaume de Goÿs, CEO. “Esperamos que a crise seja de curta duração, mas se durar, a indústria europeia estará com grandes problemas.”

Hodler está trabalhando para afastar a Arc dos problemas, após anos de dificuldades financeiras ligadas à superexpansão e, mais recentemente, bloqueios pandêmicos. Em dezembro, logo após Holder assumir o cargo em uma mudança de gestão, Arc recebeu um empréstimo de emergência de 45 milhões de euros apoiado pelo Estado francês e agora está pedindo ao governo um alívio adicional das altas contas de energia.

O local, que consome tanta energia quanto 200.000 casas, produz “arts de table”, incluindo pratos Luminarc e utensílios de mesa e bar da marca Cristal d’Arques. Ao todo, a Arc produz 4 milhões de copos por dia, além de itens como castiçais para Bath & Body Works e copos promocionais para Heineken e McDonald’s.

Funcionário verifica uma máquina de produção de vidros na Arc International, especializada no design e na fabricação de vidraria de mesa — Foto: Denis Charlet/AFP

Funcionário verifica uma máquina de produção de vidros na Arc International, especializada no design e na fabricação de vidraria de mesa — Foto: Denis Charlet/AFP

Isso requer calor intenso para derreter a areia em vidro em fornos que devem permanecer acesos 24 horas por dia. No verão, a crise de energia na Europa elevou a conta de energia da Arc para US$ 75 milhões, de 19 milhões de euros um ano atrás. Além disso, os consumidores de repente pararam de comprar itens como castiçais e máquinas de lavar, para os quais a Arc fabrica janelas de vidro, com os pedidos despencando.

“As pessoas estão preocupadas com suas contas de energia no inverno e estão dizendo: ‘Vou esperar para comprar esse item não essencial’”, disse Hodler.

O golpe duplo fez com que a equipe de gerenciamento da Arc lutasse por soluções – todas elas menos do que desejáveis.

Este mês, 1.600 trabalhadores foram convidados a ficar em casa dois dias por semana para cortar custos. E, pela primeira vez, os fornos da Arc passarão a ser movidos a diesel em vez de gás natural, que é alimentado diretamente para a fábrica por meio de um gasoduto. O diesel aumentará a pegada de carbono da Arc em 30% e deve ser entregue em grandes quantidades por caminhões-tanque.

Ainda mais assustadora era a perspectiva de fornos Arcs inativos. “Você não pode simplesmente desligar um forno de vidro, isso o destruiria”, disse Hodler. “Se eles forem desligados suavemente, eles sobreviverão, mas levarão mais de um mês para serem reaquecidos.”

Dois fornos que foram planejados para manutenção programada podem agora permanecer fora de serviço num futuro próximo. Outros dois serão temporariamente suspensos para compensar a queda na demanda.

“Não queremos interromper completamente as operações”, disse Hodler. “Mas não vamos produzir se perdermos dinheiro.”

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal, basta clicar no link: https://chat.whatsapp.com/HOBnTZ1EH6Z0l2lo0PHYf2 (13) para WhatsApp ou https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram. Este é um grupo restrito para postagens diárias de Evandro Milet. Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana em A Gazeta, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: