Brazil at Silicon Valley: ‘Startups do Brasil são bem-vistas por investidores’


Evento que reúne nos EUA empresários e ‘startupeiros’ brasileiros retoma atividades presenciais e quer ampliar leque de investidores

 Por Guilherme Guerra – O Estado de S. Paulo 28/03/2022

Leia mais

O Brasil virou um dos lugares preferidos para os investidores estrangeiros especializados no mercado de tecnologia, graças ao sucesso de diversas startups que despontaram nos últimos anos. Além disso, o fechamento da economia chinesa, a exclusão da Rússia dos negócios internacionais e a complexidade da Índia colocam o País como opção natural entre os emergentes mundiais.

“Nesse cenário, o Brasil acaba sobrando. E esse amadurecimento do ecossistema dá certa confiança”, conta ao Estadão a empreendedora carioca Iona Szkurnik, membro do conselho do evento anual Brazil at Silicon Valley, que reúne empresários do País e grandes da tecnologia no Vale do Silício, região na Califórnia conhecida por abrigar as principais companhias do setor no mundo. “O Brasil é muito bem-visto.”

Como bons exemplos de investidores internacionais em atuação País, Iona cita o americano Kevin Efrusy, da Accel (que já desembolsou cheques milionários em QuintoAndar, Olist e Nuvemshop), e o taiwanês Hans Tung, da GGV (responsável por investir em Loggi, Daki e IDWall, por exemplo). Ambos são dois nomes já confirmados para a edição deste ano, que está planejada para ocorrer em 16 e 17 maio em Mountain View, cidade que abriga o Google e o Museu da História da Computação. 

Evento Brazil at Silicon Valley retoma atividades presenciais na Califórnia em 16 e 17 de maio

Evento Brazil at Silicon Valley retoma atividades presenciais na Califórnia em 16 e 17 de maio

Desde 2019, o evento não ocorre de forma presencial, um reflexo da pandemia. De lá para cá, o mercado de inovação no Brasil amadureceu: saímos de dez unicórnios (startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão) para os 23 atuais. Além disso, investimentos (nacionais e estrangeiros) em nossas startups saltaram de US$ 2,7 bilhões, em 2019, para o recorde de US$ 9,4 bilhões. Por fim, empresas como Nubank, Ebanx, Gympass, QuintoAndar e Loft tornaram-se pesos pesados do continente latinoamericano.

A expectativa da Brazil at Silicon Valley é acompanhar essas mudanças e trazer novos nomes que despontaram na inovação brasileira. Em edições anteriores, compareceram nomes como David Vélez (Nubank), André Street (Stone), Henrique Dubugras (Brex), Marcelo Claure (então SoftBank) e Hugo Barra (então Facebook), além de Jorge Paulo Lemann e André Esteves.

“Se a quantidade de investimentos e unicórnios aumentou, temos de acompanhar isso dando espaço para novos investidores e empreendedores que não existiam há três anos. Temos um olhar crítico ao ‘clube do bolinha’”, explica Iona

Abaixo, leia trechos da entrevista ao Estadão:

O que esperar da próxima edição do Brazil at Silicon Valley?

O evento tem o intuito de fomentar inovação e tecnologia no Brasil por meio dos melhores casos e das melhores mentes do planeta. O mundo da tecnologia é global, então queremos diminuir barreiras e levantar pontes. Vamos trazer nomes de altíssima excelência interessados de alguma forma no Brasil, como Kevin Efrusy, da Accel, e Hans Tung, da GGV. Queremos oxigenar nosso grupo de pessoas convidadas, trazendo mais diversidade, de olho nos novos investidores que já nasceram com muitos acertos. Esse pessoal merece estar no Brazil at Silicon Valley, porque eles fomentam os cheques-semente, nos quais fundos de primeira classe não investem.

Iona Szkurnik é membro do conselho da Brazil at Silicon Valley, evento anual que reúne nos EUA empresários e 'startupeiros' brasileiros

Iona Szkurnik é membro do conselho da Brazil at Silicon Valley, evento anual que reúne nos EUA empresários e ‘startupeiros’ brasileiros

O evento está de olho nos novatos do ecossistema do Brasil?

Temos um mandato de renovar a lista de convidados dos eventos. Vamos manter a maioria dos tomadores de decisões da outra vez, porque são as pessoas que têm a caneta para investimentos. Mas tem uma parcela que temos obrigação de abrir lugar, como esses investidores de segunda ordem. Sem eles, não teríamos esse celeiro de startups e unicórnios, porque são quem faz o primeiro cheque institucional nessas empresas. 

O que muda diante das edições passadas?

Hoje, o ecossistema do Brasil está muito mais maduro do que há 3 anos. E estamos acompanhando essa maturidade. Se a quantidade de investimentos e unicórnios aumentou, temos de acompanhar isso dando espaço para novos investidores e empreendedores que não existiam há 3 anos. Temos um olhar crítico ao “clube do bolinha”.

Como fugir desse “clube do bolinha”, quando só há fundadores de startups que são homens e brancos?

Sendo intencional. Ter intenção é importante. Se o presidente é homem, temos que abrir espaço para outras pessoas falarem. Temos que sair da nossa zona de conforto. Do contrário, não vai cair no nosso colo uma realidade diferente.

Falando de pandemia, o cenário mudou muito. O setor de tecnologia está muito fortalecido. O que a crise trouxe para a inovação do Brasil?

O homo sapiens se adapta. Muitos preconceitos caíram por terra. Passamos a fazer coisas que não fazíamos antes, porque tivemos de nos adaptar por obrigação. A pandemia chegou de repente e isso aqueceu o ecossistema em todas as verticais. Por exemplo, parece que o ensino à distância e a telemedicina sempre existiram. A tecnologia foi nosso remédio durante a pandemia. 

O Brasil era conhecido por ser “país das fintechs”, mas agora vemos startups de outros setores despontarem. Podemos ter excelência mundial além da inovação no setor financeiro?

Não tenho a menor dúvida. O brasileiro é muito criativo. Estamos acostumados a crises e somos muito interessados e abertos. São soft skills. Costumamos ir para o exterior, bebemos daquela água, voltamos e trocamos entre a gente. O que não falta são coisas para melhorar por aqui.

O que os estrangeiros pensam do País?

O Brasil é muito bem-visto por conta desses motivos que citei. E há a mudança da política de investimentos estrangeiros da China, que é uma tendência de fechar a economia. Os dólares agora procuram outro lugar para ficar e o Brasil é um dos países mais olhados pelos fundos de investimento, ainda mais considerando que a Rússia deixou de ser uma opção (desde a guerra na Ucrânia). A Índia é muito complexa e tem proximidade com investidores da Ásia e do Oriente Médio. Nesse cenário, o Brasil acaba sobrando. E esse amadurecimento do ecossistema dá certa confiança.

Para fomentar a inovação e o empreendedorismo, o que falta ao Brasil?

Faltam políticas amigáveis para os negócios. Por exemplo, nosso sistema tributário assusta investidores. Se a gente não consegue entender, imagine para alguém de fora. Os políticos não fazem boa gestão das contas públicas e não são eficazes na aplicação das leis. Isso é algo muito nocivo para o Brasil: a falta de políticas de incentivos ao empreendedorismo. E a falta de clareza das políticas. As que existem são complicadas e nós precisávamos de outras mais incentivadoras.

Isso espanta os estrangeiros, com esse custo-Brasil?

Espanta os que não são determinados, aquele que acabou de começar e que não tem margem de erro, portanto não arrisca o Brasil. Aí é difícil não cair no clichê de que o Brasil não é para iniciantes. Porque os bons vêm para cá e fazem muito dinheiro.

https://link.estadao.com.br/noticias/inovacao,brazil-at-silicon-valley-startups-do-brasil-sao-bem-vistas-por-investidores,70004020441

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal, basta clicar no link: https://chat.whatsapp.com/KDxyGtiRel41XOZDxvZZkI (12) para WhatsApp ou https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram. Este é um grupo restrito para postagens diárias de Evandro Milet. Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana em A Gazeta, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: