Países desenvolvidos investem cada vez mais em ciência, engenharia e matemática


Trabalhadores dessas áreas foram pouco impactados durante a pandemia

Cecilia Machado –  Economista-chefe do Banco BOCOM BBM e professora da EPGE (Escola Brasileira de Economia e Finanças) da FGV

Folha 31.jan.2022 

Trabalhadores nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática –CTEM em português, STEM em inglês– contribuem para a criação e difusão de novas ideias e processos produtivos.

Mesmo quando não participam diretamente na geração de pesquisas ou no desenvolvimento de produtos, estão envolvidos na adoção de inovação tecnológica em seus ambientes de trabalho, ampliando as perspectivas de crescimento de longo prazo da economia.

Nos países desenvolvidos, políticas de subsídios educacionais e imigratórias estão sendo direcionadas para este importante setor, que vem se tornando cada vez mais estratégico, a exemplo do que se vê nos Estados Unidos.

Equipes de engenharia do centro de operação do Telescópio Espacial James Webb Space Telescope, da NASA, monitoram progresso, em Baltimore, Maryland – Bill Ingalls – 8.jan.2022/AFP

Na economia americana, são cerca de 10 milhões empregos STEM em 2019, ou seja, quase 7% da força de trabalho desempenha funções nesta área (US Census Bureau). O número preciso de trabalhadores STEM está sujeito a alguma arbitrariedade de classificação, podendo alcançar até 30 milhões de empregos, quando se considera definição mais ampla que inclui funções correlatas ou mesmo atividades realizadas por trabalhadores sem diploma universitário.

Independente da métrica, o aumento da relevância do trabalho STEM é inequívoco. Para a próxima década, a projeção de crescimento para empregos no setor STEM é 40% maior em comparação ao setor não STEM (Bureau of Labor Statistics, BLS).

Espera-se um crescimento maior em computação, nas funções de analistas de segurança da informação, de desenvolvedores de softwares, e de pesquisadores em computação e informação. O crescimento da economia digital, acelerado pela Internet das Coisas, coloca cada vez mais valor no uso e na análise da enorme quantidade de dados que vem se tornando disponíveis, assim como na segurança e proteção destas informações. Fica claro que por trás do aumento observado no emprego STEM está a maior demanda por este tipo de trabalho, e o salário de trabalhadores STEM é mais do que o dobro das demais ocupações (BLS).

E no Brasil, o que se pode dizer do setor STEM? Em estudo que realizei em parceria com Rachter, Schanaider e Stussi estabelecemos uma classificação das ocupações STEM em diferentes bases de dados considerando códigos das ocupações brasileira. Empregando-a nos dados da PNADC, calculamos que 1,5 milhão de trabalhadores estão ocupados no setor STEM em 2019. Comparado aos Estados Unidos, o tamanho do setor é menor não apenas em números absolutos como em proporção da população ocupada: 2% dos empregos são STEM.

Ainda que pareça haver espaço para o crescimento do setor em perspectiva comparada, a composição das atividades, e como estes trabalhadores serão absorvidos na economia, irão ditar o quão relevante o setor STEM se tornará no Brasil. A alta remuneração destes trabalhadores no Brasil —com salários quase 2,5 vezes maiores que os demais trabalhadores— é indicativo de que aqui também há demanda para estes profissionais.

Além disso, a formação em STEM está associada à enorme resiliência de emprego em períodos de recessão, um atrativo adicional para estas ocupações. Durante a pandemia, trabalhadores STEM foram pouco impactados, e, no último ano, o emprego nestes setores cresceu de forma expressiva tanto no Brasil e quanto nos Estados Unidos. Dados da PNADC mostram que enquanto o emprego em setores não STEM ainda não se recuperou, o emprego em setores STEM cresceu 18% no mesmo período.

A análise dos dados americanos indica que a resiliência de empregos STEM não está associada a características particulares da recessão pandêmica, como a que favorece o trabalho remoto. Ao contrário, os resultados refletem a importância de um conjunto de conhecimentos, habilidades e aprendizagem na formação em STEM, que torna estes trabalhadores adaptáveis às mudanças no mercado de trabalho.

Em uma economia fadada a enfrentar ciclos e recessões econômicas, como a brasileira, o investimento em STEM não parece má ideia. Resta ver como a oferta de cursos em ciências e tecnologia será capaz de se adaptar ao dinamismo da economia digital, atraindo e preparando nossos jovens para as profissões do futuro.

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal, basta clicar no link: https://chat.whatsapp.com/ICFvu2V5bCu67L6KwXc6ZD  (09) para WhatsApp ou https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram. Este é um grupo restrito para postagens diárias de Evandro Milet. Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana em A Gazeta, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

2 comentários em “Países desenvolvidos investem cada vez mais em ciência, engenharia e matemática

  1. Muito interessante o texto! Gostaria de ler o estudo sobre o mercado STEM no Brasil proposto por Rachter, Schanaider e Stussi, conforme comentado no texto. Onde ele está disponível.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: