Em que as maiores empresas de tecnologia da América estão investindo


Seu foco está no metaverso, carros e cuidados de saúde

The Economist 22 de janeiro de 2022(Tradução Evandro Milet)

Quando os chefes corporativos querem impressionar os investidores, eles recorrem cada vez mais à i-word. As menções de “inovação” durante as chamadas de resultados das empresas s&p500 quase dobraram na última década. E nenhum outro setor fala tanto sobre isso quanto as empresas de tecnologia. Para a Hewlett-Packard, um fabricante de impressoras e computadores pessoais, a inovação às vezes se tornou o que a localização é para os corretores de imóveis e a educação para Tony Blair: tão importante que precisa ser dita três vezes em rápida sucessão.

Eles protestam muito? Ao longo daquela década, alguns críticos sustentaram que o setor de tecnologia não estava oferecendo tanta inovação quanto deveria. Quando Tim Cook, o chefe da Apple, disse que 2020 foi o “maior ano de inovação de todos os tempos” da empresa, graças ao lançamento do novo iPhone, Mac e outros dispositivos e serviços, foi possível sentir que ele poderia estar de alguma forma, construindo um caso para os críticos. As coisas que os produtos podiam fazer e a facilidade com que os faziam representavam uma conquista notável. Sim, o poder de computação continuou aumentando e o software continuou fazendo mais. Mas onde estavam os carros voadores, serviçais robóticos e fones para conectar mentes?

Em 2020, um relatório de um subcomitê antitruste no Congresso dos Estados Unidos argumentou que o domínio da grande tecnologia havia “enfraquecido materialmente a inovação”. Os gigantes, disse, acumulam grandes benefícios dos efeitos de rede que fazem com que ter mais usuários seja a melhor maneira de adicionar novos usuários; eles aumentam a proteção que esses fossos fornecem ao adquirir antecipadamente rivais em potencial. Acabar com essas “aquisições assassinas” foi um dos objetivos da ordem executiva do presidente Joe Biden para aumentar a concorrência no ano passado.

Um contra-argumento para isso é que a competição em tecnologia está longe de estar morta. É difícil encontrar uma parte da indústria onde dois ou mais dos “Big Five” – Alphabet, Amazon, Apple, Meta e Microsoft – não estejam se enfrentando. Outra é que, quando se trata de inovação tecnológica, a concorrência não é necessariamente o que mais importa.

Quando as fundações gêmeas da era do computador, o transistor e a teoria da informação de Claude Shannon, saíram da Bell Labs em meados do século 20, não foi porque o dono dos laboratórios, at&t, estava enfrentando muitos concorrentes desorganizados. Foi porque queria fazer e possuir o futuro. Rob Atkinson, chefe da Information Technology and Innovation Foundation, um think-tank, argumenta que algo semelhante é verdade hoje: os Big Five são “oligopolistas que usam seu poder de mercado para ganhar a próxima grande novidade”.

Tendo passado por um crescimento exponencial, todos eles estão bem cientes de que perder a próxima mudança transformadora pode levá-los a serem expulsos do jogo de criar futuro. Para ter uma ideia de suas estratégias, The Economist analisou uma série de dados sobre as atividades das Big Five, incluindo o foco em tecnologia das empresas que adquiriram recentemente e daquelas nas quais têm participações minoritárias, perfis de seus funcionários no LinkedIn e suas publicações e patentes. O trabalho fornece uma noção de onde esse fenomenal surto de investimento está indo.

Não há dúvida de que as grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos estão gastando uma quantia realmente vasta em pesquisa e desenvolvimento. Em 2020, os gastos públicos e privados dos Estados Unidos em pesquisa e desenvolvimento somaram US$ 713 bilhões. Em 2021, as Cinco Grandes gastaram US$ 149 bilhões, o equivalente a cerca de um quarto desse total (embora parte desse dinheiro não seja gasto nos Estados Unidos). Isso é significativamente maior do que o maior orçamento de pesquisa e desenvolvimento de um único governo, o do Pentágono.

Muitos desses gastos são em desenvolvimento de produtos, e é verdade que o regime tributário incentiva que os gastos sejam deduzidos para P&D, se possível, o que pode distorcer as coisas. Mas isso dificilmente explica o aumento de 34% desde 2019: o regime tributário permaneceu inalterado ao longo desse tempo.

As despesas de capital – que vão principalmente para data centers, mas também para os centros de distribuição da Amazon – também cresceram, para US$ 131 bilhões por ano. Nos últimos 12 meses, a participação das Big Five no fluxo de caixa das operações investidas em P&D e despesas de capital foi de 53%. Isso se compara a uma mediana de 32% para todas as empresas do s&p500.

Uma razão para gastos realmente grandes são as empresas realmente grandes. As receitas das Cinco Grandes, que têm um valor de mercado combinado de mais de US$ 9 trilhões, quase triplicaram entre 2015 e 2020. Mas, embora, quando expresso em proporção do aumento das vendas, o investimento pareça mais modesto, ainda é real (veja o gráfico 1). Os gastos com pesquisa e desenvolvimento aumentaram em um terço no mesmo período, de cerca de 9% das vendas para 12%, e as despesas de capital cresceram mais de um quarto, subindo dois pontos percentuais para cerca de 9% das vendas.

Mas uma parte crucial disso é que existem metas específicas que as empresas desejam alcançar e que exigem muita pesquisa e desenvolvimento. A Apple está à procura do hardware que se tornará o novo iPhone, seja um carro ou um headset de realidade virtual (VR). 

A Amazon está tentando incansavelmente melhorar a eficiência de seus armazéns e sistema de entrega e expandir a gama de indústrias que utilizam o Amazon Web Services. Para a Meta, que viu sua principal oferta, o Facebook, ser evitada por pessoas mais jovens, uma nova grande novidade pode ser a única maneira de garantir a sobrevivência: sua recente mudança de nome será em vão sem a nova tecnologia para apoiá-la.

Pesquisadores do Big Five publicaram mais de 16.000 artigos científicos nos cinco anos até 2019, e seus tópicos fornecem algumas informações sobre o que está acontecendo. Os negócios principais estão sendo aprimorados – um artigo recente da Amazon discute maneiras de “evitar duplicatas nos resultados da pesquisa” – e algumas possibilidades esotéricas exploradas – um artigo de uma equipe com membros do Google Research fornece insights sobre uma “amostra cirúrgica humana do lobo temporal do córtex cerebral”. Mas as diferentes políticas de publicação em diferentes empresas dificultam o uso quantitativo dos dados.

A Alphabet é generosa quando se trata de publicação, buscando atrair pesquisadores que não entrariam em uma empresa que os obrigasse a esconder sua luz em um subterrâneo. Como resultado, a Alphabet fica bem em medidas baseadas em publicações: é a quarta instituição corporativa mais bem classificada na edição atual do Nature Index, que mede o impacto da pesquisa acadêmica nas ciências (Roche, empresa suíça de saúde , encabeça a lista). A Apple é muito mais rigorosa quanto à publicação. Mas isso não significa que seja menos inovadora.

Carros, o metaverso e tudo mais

Os analistas calculam que algo entre 5% e 20% dos gastos maciços em P&D dos gigantes da tecnologia vão para o que, para os propósitos deste artigo, estamos chamando de “tecnologias de fronteira”: o metaverso, veículos autônomos, saúde, espaço, robótica, fintechs, criptografia e computação quântica. (A inteligência artificial, AI, agora é tão onipresente que não a consideramos uma fronteira em si mesma.) Analisamos aquisições, investimentos e dados de emprego para ver qual das empresas parecia mais interessada em quê.

Nos últimos três anos, as Cinco Grandes adquiriram cerca de 110 empresas, de acordo com dados da PitchBook, uma empresa de pesquisa (esses dados não incluem a aquisição de US$ 69 bilhões da Activision Blizzard pela Microsoft anunciada esta semana). Há um limite para o quanto esses dados podem revelar. Na maioria dos casos, o tamanho do negócio não foi divulgado e muitas aquisições menores são tratadas como recrutamento e, portanto, não nos dados. Os que acreditam em “aquisições matadoras” podem ver alguns desses acordos como tentativas de impedir a inovação em vez de acelerá-la. Mas mesmo que seja esse o caso, eles mostram onde as empresas estão focadas.

Dos cerca de 40 negócios que vieram com números, a avaliação total foi de aproximadamente US$ 50 bilhões. Mais de um quarto das empresas adquiridas especializou-se em IA ou em processamento de grandes conjuntos de dados. Talvez um quarto deles estivesse desenvolvendo tecnologias de ponta (veja o gráfico 2 para um detalhamento).

A Microsoft é a grande investidora. Em abril, concordou em comprar a Nuance Communications, fornecedora de software e nuvem com foco em saúde, por US$ 19,7 bilhões, na maior aquisição para a qual temos dados nos últimos três anos. Também comprou startups que facilitam serviços de nuvem, como a Mover.io, que ajuda as empresas a transferir dados para a nuvem, e a CloudKnox, uma empresa de cibersegurança. O Google, que fica atrás da Microsoft e da Amazon em sua oferta de nuvem, comprou três startups baseadas em nuvem, incluindo a Actifio. Também comprou três empresas de vestíveis(wearables), incluindo a Fitbit, nas quais gastou US$ 2,1 bilhões, refletindo seu crescente interesse em assistência médica.

Em termos de obstinação, o sinal mais claro é a busca de Meta por todas as coisas do metaverso. Das 13 empresas que trabalham em realidade aumentada (RA) ou RV que foram compradas a preço divulgado, a Meta comprou oito, incluindo BigBox VR e Downpour Interactive. A Apple comprou outras quatro, incluindo Next VR e IKinema. Mas sua maior prioridade por esta medida foi IA. De suas 22 compras desde 2019, mais da metade foram startups relacionadas à IA.

Outra janela para as prioridades de quatro das cinco empresas é onde elas escolhem ter participações minoritárias. Das 101 empresas nas quais os dados do PitchBook mostram as empresas que investiram muito nos últimos três anos, mais de um terço são ativas em tecnologia de ponta. A exceção aqui é a Apple, que faz muito poucos investimentos desse tipo, nenhum dos quais nas áreas de fronteira.

Aqui, também, as escolhas são reveladoras. Veja as cinco investidas que fabricam carros. A Amazon investiu em duas, Aurora e Rivian. A última, na qual tem 20% de participação, abriu o capital em novembro e está avaliada em US$ 67 bilhões. Além disso, no ano passado a Amazon comprou a Zoox, que como a Aurora, se concentra em veículos autônomos, por US$ 1,3 bilhão.

Analistas suspeitam que o interesse imediato da Amazon no setor esteja na possibilidade de tornar seu serviço de entrega mais barato e eficiente – já encomendou 100.000 vans de entrega da Rivian. 

O investimento pode ser comparável à compra da Kiva Systems, uma empresa de robótica, em 2012. A tecnologia da Kiva agora ajuda os armazéns da Amazon a funcionar eficientemente.

O Google também investiu em duas empresas de carros autônomos: Waymo, uma empresa originalmente desmembrada da X, a unidade “moonshot” interna da gigante de tecnologia; e Nuro, uma empresa de entrega autônoma. A Apple, que em 2019 adquiriu a Drive. ai, uma startup de carros autônomos, está trabalhando principalmente em seus carros autônomos internamente. Seu Projeto Titan visa lançar um veículo em 2025. Esta semana, a Microsoft entrou na corrida, com um investimento na Wayve, uma empresa de carros autônomos com sede em Londres.

No geral, 9% dos investimentos feitos pelas grandes empresas de tecnologia são em carros e mobilidade, em comparação com apenas 2,4% para o setor de capital de risco(VC). De fato, todas as tecnologias de fronteira, exceto as criptomoedas, possuem uma parcela do investimento Big Five maior do que para VCs em geral. No geral, 37% dos grandes investimentos em tecnologia, em número, estavam nas fronteiras, em oposição a cerca de um quarto para investidores de risco em geral.

Alphabet, Amazon e Microsoft também têm subsidiárias de investimento separadas. Desde 2019, os braços de capital de risco da Alphabet (Gradient Ventures e gv) e sua unidade de private equity (CapitalG) fecharam cerca de 400 negócios. Cerca de 100 deles foram para empresas que trabalham em ciências da vida ou assistência médica – uma área que as empresas de tecnologia consideram atraente em parte devido à crescente aplicabilidade da IA ​​à biologia. Agora você pode “escrever a estrutura de RNA em um computador como se fosse um software”, diz Tom Slater, da Baillie Gifford, uma grande gestora de ativos que investe em empresas de tecnologia. Os investimentos de capital de risco do Google incluem a Editas Medicine, uma empresa de edição de genoma, e a Adagio Therapeutics, uma empresa de descoberta de medicamentos.

Outros 45 investimentos dos braços de financiamento do Google foram em empresas de tecnologia financeira como a Botkeeper, um serviço automatizado de contabilidade. Outras empresas de tecnologia estão fazendo movimentos semelhantes. A Apple adquiriu a Mobeewave, uma startup de pagamentos, em 2020 para transformar os iPhones em terminais móveis de pagamento sem contato. No ano passado, a Amazon comprou a Perpule, uma fintech indiana, e está trabalhando com a Goldman Sachs para expandir a oferta de empréstimos da empresa.

A Perpule e várias outras fintechs fazem parte de outra tendência: das 101 empresas nas quais os titãs da tecnologia têm participação desde 2019, 24 são da Índia, mais do que qualquer outro país, exceto os Estados Unidos. A Amazon construiu uma participação no BankBazaar, um mercado financeiro online baseado em Chennai. Em 2020, o Google disse que planejava investir US$ 10 bilhões em empresas de tecnologia indianas nos próximos cinco a sete anos. Em geral, as grandes empresas de tecnologia parecem muito mais dispostas a investir na Índia do que as empresas americanas de VCs.

Outra maneira de avaliar onde as empresas de tecnologia estão apostando é observar as pessoas que empregam e as que desejam empregar. The Economist examinou os perfis do LinkedIn dos funcionários das Cinco Grandes para as palavras-chave mais usadas (veja o gráfico 3). Novamente, os dados do Meta são muito metaversais. Encontramos alguma experiência de trabalho com RA ou RV em 2-4% dos perfis associados aos funcionários da Meta, mais do que em qualquer outra empresa.

Quantidade de empregos

De acordo com a Thinknum Alternative Data, uma empresa de pesquisa, os gigantes da tecnologia também estão procurando contratar nessas áreas. As menções a RA e RV nas listas de empregos das Cinco Grandes saltaram de cerca de 75 em agosto de 2020 para 567 hoje. A Meta e a Amazon estão publicando cerca de 200 desses empregos cada no momento – um fato impressionante, já que a Amazon emprega 20 vezes mais pessoas do que a Meta. Um aumento semelhante pode ser visto em listagens relacionadas a carros. Algumas contratações são de alto perfil. Em junho, a Apple contratou Ulrich Kranz, ex-executivo sênior da unidade de veículos elétricos da BMW, para reforçar o Projeto Titan. Também abocanhou dois executivos da Tesla.

Há um interesse crescente na computação quântica, mesmo que partindo de uma base baixa. Em média, cerca de 0,5% dos funcionários das grandes empresas de tecnologia se referem a computação quântica em suas páginas do LinkedIn. Amazon e Alphabet estão mencionando mais quando anunciam vagas. Em julho, o Google anunciou um grande passo na supressão de erros quânticos, vital para que a tecnologia seja comercializada. Kevin Scott, diretor de tecnologia da Microsoft, vê o investimento em computação quântica como uma necessidade para a empresa. “Se tal máquina [de computação quântica] existisse no futuro, seria importante que a Microsoft tivesse uma”, diz ele. Esses medos de perder podem impulsionar grandes projetos de pesquisa.

Outras formas de dados sustentam muito do que nossa pesquisa sugere. Tome patentes. Microsoft, Amazon e Google solicitaram recentemente patentes relacionadas à computação quântica. Mais da metade dos pedidos de patentes da Meta desde 2019 mencionam RA ou RV. Nos eventos sobre resultados financeiros, Meta, sem surpresa, bate no metaverso; Microsoft e Google são muito mais propensos a falar sobre a IA que sustentará a maioria das novas fronteiras tecnológicas.

Nada disso quer dizer que os oligopolistas estão investindo de forma a maximizar a inovação em si, muito menos os benefícios econômicos e sociais que ela pode trazer. É difícil não acreditar que o tamanho desses incumbentes constitua algum tipo de bloqueio às tentativas radicais de reinventar o mundo. Mas, embora cada empresa tenha seus interesses particulares, nossa visão de suas prioridades mostra que em muitos setores há realmente uma concorrência significativa.

E apesar de toda essa inovação ser uma palavra fácil de usar, investir enormes quantias de dinheiro e recursos nela é muito mais difícil. É muito melhor que a grande tecnologia faça esse trabalho duro do que apenas ficar de costas para maximizar seus rendimentos. ■

https://www.economist.com/briefing/2022/01/22/what-americas-largest-technology-firms-are-investing-in

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal, basta clicar no link: https://chat.whatsapp.com/ICFvu2V5bCu67L6KwXc6ZD  (09) para WhatsApp ou https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram. Este é um grupo restrito para postagens diárias de Evandro Milet. Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana em A Gazeta, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: