Netflix lança site de e-commerce e abre caminho para geração de receita


Fãs já podem comprar produtos de suas séries favoritas. Iniciativa acontece em um momento que o mercado de streaming está vivendo uma disputa acirrada

Por Agência O Globo 11/06/2021 

Travesseiros “Lupin”, bonés, pingentes e moletons. Esses e outros itens podem ser comprados no Netflix.shop, site que entrou no ar nesta quinta-feira, no momento em que a maior empresa de streaming do mundo finca uma bandeira no território do e-commerce.

O site de compras oferece à Netflix uma nova maneira de gerar dinheiro após um trimestre em que seu crescimento explosivo mostrou sinais de desaceleração no campo cada vez mais concorrido do streaming, que agora inclui um rival formidável no Disney+.

Ao contrário de alguns de seus concorrentes, incluindo Hulu e HBO Max, Netflix, a casa de “Bridgerton”, “The Witcher” e “The Crown”, não tem comerciais, contando com as taxas mensais pagas por seus mais de 200 milhões de assinantes ao redor o mundo. É aí que entra o Netflix.shop.

O site é o próximo passo lógico para uma empresa que levou a sério o negócio de varejo no ano passado, um esforço liderado pelo executivo Josh Simon, que dirige a divisão de produtos de consumo da Netflix.

Simon ingressou na empresa em março de 2020, depois de trabalhar em uma função semelhante na Nike.

Sob seu comando, a equipe de produtos de consumo cresceu de 20 para 60 pessoas, e a Netflix fez acordos com Walmart, Sephora, Amazon e Target para vender roupas, brinquedos, kits de beleza e utilidades domésticas, entre outros itens, relacionados a séries e filmes.

Quanto custam os serviços de streaming no Brasil e como economizar

A Netflix criou a loja on-line com a empresa de tecnologia Shopify. Simon a descreveu como uma “butique”, acrescentando que produtos vinculados a apenas alguns programas da Netflix serão incluídos nas primeiras semanas.

“Lupin”, o agitado programa policial francês sobre um ladrão especialista em arte, estará em destaque no Netflix.shop no fim deste mês. Além de bonés de beisebol, camisetas, moletons e suéteres, a mercadoria relacionada a “Lupin” incluirá almofadas (US $ 60 cada) e uma mesa lateral (US $ 150), tudo projetado e produzido em colaboração com o Museu do Louvre.

Nos próximos meses, produtos vinculados a outros programas da Netflix, incluindo “Stranger Things” e “Money Heist”, aparecerão nas prateleiras on-line.

A demanda parece estar lá: milhares de produtos feitos por fãs relacionados à série de documentários da Netflix “Tiger King”, incluindo velas, máscaras e cartões comemorativos, já estão à venda no Etsy e sites semelhantes, sem a aprovação da empresa.

O Netflix.shop permitirá que a empresa se mova mais rapidamente para atender à demanda por itens relacionados ao streaming.

O desejo de tempos de resposta rápidos influenciou a decisão da empresa de administrar sua loja por meio do Shopify, cuja tecnologia oferece suporte a uma variedade de fornecedores, incluindo Allbirds, Kith, The New York Times e Skims de Kim Kardashian.

Novas fontes de receita

As empresas de tecnologia estão agora entrando em ação à medida que procuram novas fontes de receita. O Google recentemente anunciou planos para abrir uma loja em Nova York, e o Instagram aumentou seus recursos de compras no aplicativo.

Vendas de licenciados ligados a programas, filmes e personagens movimentaram cerca de US $ 49 bilhões nos Estados Unidos em 2019 e US $ 128 bilhões globalmente, de acordo com o estudo mais recente da indústria da Licensing International, um grupo comercial. O maior jogador, por ordens de magnitude, é a Disney.

Simon, o executivo da Netflix, disse que o dinheiro gerado pelo site de compras não deve corresponder à quantia que a Netflix ganha por meio de seus acordos com cadeias de lojas e marcas de moda.

— Em termos práticos, a receita virá mais desses parceiros ao redor do mundo em termos de pegada e número de locais e magnitude — afirmou.

Ao contrário da Disney, que estima gerar dezenas de bilhões de dólares em vendas anuais de mercadorias, a Netflix não tem planos para lojas físicas em shoppings ou na Times Square.

Mark A. Cohen, diretor de estudos de varejo e professor adjunto da Escola de Negócios da Universidade de Columbia, disse que estava cético quanto à longevidade da loja Netflix depois que a empolgação em torno de sua inauguração acabar, em parte por causa do ciclo de vaivém de hits da empresa.

— A maioria deles tem uma vida útil curta, ao contrário de uma propriedade da Disney, que é uma longa jornada de gerações.

https://exame.com/negocios/netflix-lanca-site-de-e-commerce-e-abre-caminho-para-geracao-de-receita/

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal basta clicar no link: 

https://chat.whatsapp.com/JaVtzzDfTqBFO2KO7EjX4b   para WhatsApp ou

https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram

Este é um grupo de WhatsApp restrito para postagens diárias de Evandro Milet. 

Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana em A Gazeta, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: