Empresas ampliam aposta em tecnologia no 2º ano da pandemia e mudam rotina de pet shop a hospital


Entrega personalizada, redução do contato físico e aumento da segurança fazem parte da estratégia das companhias

Henrique Gomes Batista e João Sorima Neto – O Globo – 21/03/2021 

SÃO PAULO – Há um ano, com o fechamento do comércio e dos escritórios pela pandemia, a transformação digital foi feita às pressas, para garantir a sobrevivência do negócio. Empresas dos mais diferentes setores e tamanhos tiveram de migrar suas operações, da chefia às vendas, da logística à assistência técnica, para o mundo virtual.

Agora, é o momento de resolver eventuais falhas nos sistemas, aprimorar plataformas e aumentar a segurança. O investimento digital vai desde grandes redes de varejo a hotéis, passando por hospitais.

Segundo a consultoria americana Gartner, os investimentos mundiais em tecnologia da informação (TI) atingirão US$ 3,9 trilhões este ano, alta de 6,2% sobre 2020.

Pós-pandemia:Digitalização chega a setores associados a papelada, como cartórios e RH

O movimento ocorre tanto em pet shops, como a Petz — que lançou lockers para os clientes retirarem as compras feitas on-line, sem contato físico, e adotou a teleconsulta veterinária —, quanto em redes de combustíveis, como a Ale — que passou a dar treinamento pelo app de mensagens Telegram e pretende aumentar os investimentos em tecnologia este ano em 120%.

Lockers da Petz: o cliente faz a compra pelo site ou aplicativo, vai até uma loja física, insere o número do pedido e retira sozinho os produtos Foto: Divulgação/PetzLockers da Petz: o cliente faz a compra pelo site ou aplicativo, vai até uma loja física, insere o número do pedido e retira sozinho os produtos Foto: Divulgação/Petz

— Agora há um foco na inteligência logística e de clientes, e internamente, no cuidado com o trabalho remoto. Hoje poucas empresas têm essa inteligência de produção e distribuição integradas. Quantas empresas têm dito que está faltando papelão? Com os dados do e-commerce, é possível prever e planejar até questões como esta — afirma o vice-presidente de Strategic Industries da SAP Brasil, Jackson Borges.

É o caso da rede de materiais de construção Telhanorte:

— A onda do ano passado foi fortemente voltada para o e-commerce. Para o futuro, queremos integrar em 100% nossos canais e cadeia de suprimentos — diz Michelle Oliveira, diretora de Logística da Telhanorte.

Personalizar a entrega

A tecnologia também pode melhorar a logística ao permitir que o cliente acompanhe cada passo da entrega em tempo real, assegura Alexandre Thomaz, diretor para o Brasil da Globant, multinacional argentina de tecnologia. Segundo ele, a inteligência artificial pode “aprender” o tempo extra de uma entrega em um condomínio onde a portaria é mais lenta:

— Há o objetivo de melhorar e personalizar a experiência para cada consumidor, um mesmo site pode ser totalmente individualizado.

Compra on-line:  Atrasos em encomendas disparam na pandemia

Na Via Varejo, que congrega marcas como Casas Bahia, Pontofrio e Extra.com.br, a pandemia acelerou a mudança em dois anos. Quando a crise sanitária se instalou, a empresa era menos digital que suas concorrentes e viu o faturamento desabar 84%.

 Na hora que tudo fechou, deu meia hora de pânico — diz o presidente do grupo, Roberto Fulcherberguer.

Mudança:  O mundo não será o mesmo após o coronavírus. Conheça 6 forças que moldarão o futuro

Mas a empresa conseguiu um salto de 170% no e-commerce com investimentos em tecnologia, como o “Me Chama no Zap”. Os gastos com TI passaram de R$ 253 milhões em 2019 para R$ 307 milhões no ano passado. Em 2021, a Via Varejo diz que o valor será maior, sem dar detalhes.

Via Varejo acelerou no investimento tecnológico com a SAP, que promete resolver com seus sistemas e o uso de inteligência artificial até mesmo a falta de insumos como papelão, decorrente da explosão das vendas on-line Foto: Divulgação/Via VarejoVia Varejo acelerou no investimento tecnológico com a SAP, que promete resolver com seus sistemas e o uso de inteligência artificial até mesmo a falta de insumos como papelão, decorrente da explosão das vendas on-line Foto: Divulgação/Via Varejo

O diretor digital da Rede D’Or São Luiz, Ariel Dascal, conta que os investimentos em tecnologia, que dobraram em 2020, crescerão 60% este ano, em áreas como telemedicina, prontuário digital, visitas virtuais de parentes e diagnóstico:

— A inteligência artificial é uma ferramenta para auxiliar o doutor em seu processo. Já há casos de usos mais variados, principalmente em diagnóstico por imagem, e estamos muito atentos a isso.

Na Rede D’Or São Luiz, os investimentos em tecnologia devem crescer 60% este ano. Áreas visadas pelo grupo hospitalar incluem telemedicina, prontuário digital e visitas virtuais a pessoas que estão internadas Foto: Divulgação/Rede D'Or

Na Rede D’Or São Luiz, os investimentos em tecnologia devem crescer 60% este ano. Áreas visadas pelo grupo hospitalar incluem telemedicina, prontuário digital e visitas virtuais a pessoas que estão internadas Foto: Divulgação/Rede D’Or

Você sabia?Apple lança serviço de eletrocardiograma no Brasil

Um dos principais desafios trazidos pela pandemia foi a redução do contato físico. Cláudio Cordeiro, da empresa de tecnologia Totvs, ressalta que o ambiente é desafiador, pois nem todos se recuperaram da queda no faturamento:

— Nesta segunda onda, projetos de tecnologia que tragam potencialização de receitas ou redução de custos estão sendo priorizados.

Pós-pandemia:Empresas usam apps e assistentes virtuais para monitorar humor e saúde dos funcionários

Um dos clientes da Totvs é o Hotel Toriba, em Campos do Jordão (SP). Mesmo com o baque no turismo provocado pela Covid-19, o hotel registrou melhora nos resultados depois de investir em tecnologias para reduzir riscos de aglomeração no check-in e eliminar papéis. O cardápio, por exemplo, é consultado por QR Code.

— Antes uma reserva era feita em cinco minutos, hoje são 20. As pessoas perguntam se há soluções para evitar contato. Muitos clientes se hospedaram aqui por causa de nossas soluções — diz Vicente Brandão, responsável pela controladoria do hotel.

Para atrair turistas preocupados com a Covid-19, o Hotel Toriba investiu em soluções tecnológicas fornecidas pela Totvs, como o cardápio com QR Code Foto: Divulgação/Hotel ToribaPara atrair turistas preocupados com a Covid-19, o Hotel Toriba investiu em soluções tecnológicas fornecidas pela Totvs, como o cardápio com QR Code Foto: Divulgação/Hotel Toriba

Evitar o contato físico também é o objetivo da rede de fast-food Burger King. Isso inclui cardápio por QR Code, pagamento por Pix ou mesmo pelas tags eletrônicas de pedágio, no caso do drive thru. E os totens de autoatendimento estão presentes em metade das lojas, contra 20% antes.

A rede, controlada pelo grupo 3G, ainda criou o cargo de chief Marketing Technology officer, ou CMTO, ocupado por Ariel Grunkraut. Sua equipe inclui até cientistas de dados.

— Projetos que estavam previstos para os próximos cinco anos foram feitos em cinco meses — diz Grunkraut.

De olho:  Empresas tentam atrair brasileiros que estudam fora com programas de estágio

O Pix já foi incorporado em alguns dos novos projetos da UDS Tecnologia. Outros miram áreas que não as de venda, como, por exemplo, soluções para acesso a prédios sem contato físico, conta Rafael Sapata, diretor de Tecnologia:

— Crescemos 65% em 2020 e devemos dobrar este ano. Só não será maior pela falta de profissionais.

Já a multinacional brasileira de tecnologia Stefanini viu um crescimento de 30% em novos projetos desde o terceiro trimestre de 2020. Segundo o presidente da empresa, Marco Stefanini, este será um ano de “grande salto na digitalização das empresas, com projetos estruturantes de longo prazo”.

Crime:Ataque hacker a multinacional de tecnologia expõe dados de passageiros no Brasil

Outra preocupação que cresce nessa segunda onda digital é a segurança. Esta é a maior preocupação de 44% dos mais de cinco mil diretores executivos de todo o mundo ouvidos em uma pesquisa da consultoria PwC.

— No Brasil, 57% das empresas afirmaram que investirão mais em cibersegurança — diz Eduardo Batista, sócio da PwC Brasil.

Cristiano Lincoln Mattos, presidente da Tempest, empresa de cibersegurança controlada pela Embraer, explica que os investimentos em segurança chegam a setores como educação. Isso se deve ao receio do vazamento de dados de alunos ou fraude no pagamento de mensalidades.

https://oglobo.globo.com/economia/empresas-ampliam-aposta-em-tecnologia-no-2-ano-da-pandemia-mudam-rotina-de-pet-shop-hospital-24934572

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal basta clicar no link: 

https://chat.whatsapp.com/BpgpihnE3RELB1U8pSS04s   para WhatsApp ou

https://t.me/joinchat/SS-ZohzFUUv10nopMVTs-w  para Telegram

Este é um grupo de WhatsApp restrito para postagens diárias de Evandro Milet. 

Além dos artigos neste blog, outros artigos de Evandro Milet com outras temáticas, publicados nos fins de semana em A Gazeta, encontram-se em http://evandromilet.com.br/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: