A ilusão na economia


por Evandro Milet

Quem imaginaria um professor de psicologia ganhando o Prêmio Nobel de economia? Pois aconteceu em 2002 com o professor de Princeton Daniel Kahneman com sua obra sobre os processos de tomada de decisões. No livro “Rápido e Devagar – duas formas de pensar”, ele desmistifica a ideia de que pessoas são capazes de avaliar racional e objetivamente as situações e escolher dentre várias alternativas a que lhes é mais vantajosa. Com a apresentação de muitas experiências, ele mostra que a nossa mente funciona de duas formas: uma rápida e intuitiva – o sistema 1 – e outra mais devagar, porém mais lógica e deliberativa – o sistema 2.

Da mesma forma que somos iludidos por figuras que desafiam nossa percepção visual, também sofremos de ilusões cognitivas. Temos opiniões conflitantes sobre a mesma situação se os eventos forem apresentados em ordem diferente ou até em horários diferentes e preferimos muito mais uma carne que seja 90% livre de gordura do que uma que tenha 10% de gordura.

Kahneman estuda até onde a intuição de um especialista pode ser real; porque subestimamos prazos de projetos e porque avaliamos mal as probabilidades de um acontecimento, encarando algo dentro da normalidade como fato extraordinário. Por que é tão difícil para nós pensar estatisticamente?

Kahneman demonstra que os humanos são incorrigivelmente inconsistentes em fazer julgamentos sumários de informações complexas. Tendemos a superestimar nossa compreensão do mundo e subestimar o papel do acaso.

Kahneman oferece métodos simples para combater os erros que cometemos de modo inconsciente. Por exemplo, quando de bom humor, as pessoas se tornam mais intuitivas e mais criativas, mas também menos vigilantes e mais propensas a cometer erros lógicos. Quando estamos desconfortáveis e infelizes, perdemos contato com nossa intuição.

Abordando heurísticas e vieses, o livro mostra que as pessoas tendem a estimar erroneamente a importância relativa das questões pela facilidade com que são puxadas da memória e que a sorte desempenha um grande papel em toda história de sucesso.

Porque o medo de perder é mais forte que o prazer de ganhar? O conceito de aversão à perda é certamente a contribuição mais significativa da psicologia à economia comportamental, que trata com muito mais precisão como investidores se comportam e que deu o Prêmio Nobel ao autor(dentro do mesmo tema Richard Thaler recebeu o prêmio em 2017).

Lendo esse livro fica a certeza que “probabilidade e estatística” é matéria fundamental para todas as profissões, pela repercussão nas atividades e decisões ao longo de toda a vida.

Se você tiver interesse e ainda não estiver inscrito para receber diariamente as postagens de O Novo Normal basta clicar no link  https://chat.whatsapp.com/ClAdy1GuMchCtm12T5xPcp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: